7 Maravilhas – Jorge Almeida


Nascido a 29 de agosto de 1971, no concelho de Santa Maria da Feira, Portugal. Jorge Almeida inicia os seus estudos musicais aos onze anos de idade, no Conservatório de Música de São João da Madeira, tendo como seus professores Fernando Baptista e José Macedo, ambos instrumentistas na antiga Orquestra da Rádio Difusão Portuguesa. Todo este primeiro percurso musical permitiu-lhe ver atribuída uma bolsa de estudos pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Em 1987 ganhou o primeiro prémio para jovens solistas, em nível médio, no concurso Juventude Musical Portuguesa a nível nacional. Prosseguindo os seus estudos, terminou o 8º grau de Trompete obtendo a classificação de 18 valores.

Em 1993, por concurso público é-lhe atribuído o posto de subchefe músico e chefe de naipe dos trompetes da Banda Sinfónica da Polícia de Segurança Pública. Em 1995, iniciou os seus estudos superiores na Academia Nacional Superior de Orquestra, no curso superior de instrumentistas de Orquestra, tendo como professores Douglas Stephenson, David Burt, Robert Chambers e Philip Navat.

Na mesma escola e no decorrer dos seus estudos musicais, foi convidado pelo diretor artístico da Orquestra Metropolitana de Lisboa, Maestro Miguel Graça Moura, a ocupar temporariamente o lugar de solista B, vindo mais tarde a ganhar o lugar, por concurso internacional. No decorrer da sua estada nesta instituição, lecionou as disciplinas de Pedagogia do Instrumento e Música de Câmara como professor convidado. Em 1998 ganhou o Concurso Internacional para o lugar de coordenador de naipe dos trompetes, na Orquestra Sinfónica Portuguesa do Teatro Nacional de São Carlos, onde ainda hoje é elemento integrante da mesma.

Em paralelo com a atividade de instrumentista de orquestra, desenvolve, também, atividades como a de Jorge Almeida, também tem desenvolvido uma carreira como solista, destacando-se nos mais diversificados néneros e estilos musicais, nomeadamente no clássico, contemporâneo, jazz e pop.

Realizou concertos como solista nas Orquestras Sinfónica Portuguesa, Filarmonia das Beiras, Clássica da Madeira, na Orquestra Sinfónica da Universidade de Tatuí do Estado de São Paulo, Banda Sinfónica Portuguesa e Orquestra Utópica. Relativamente ao jazz destacou-se a sua participação no projeto de originais de Marco Barroso com a Big Band (LUME), grupo este que edita o seu primeiro álbum, referenciado como o melhor disco de originais do ano.

No campo de eventos, sublinha-se a sua presença, como convidado, na 2ª conferencia internacional de trompetistas ABT Brasil, foi Presidente do Júri Internacional no concurso para Quinteto de Metais, decorrido em Madrid, foi solista no Congresso de Afañir Sevilha, participou na Conferência de Metais na Universidade de Córdoba, assim como no Conservatório Superior de Madrid e fez parte do projeto Amasónia para a “Munchener Biennale”.

A convite da Fundação Orquestra Estúdio Capital Europeia da Cultura 2012, Guimarães, integrou o concurso internacional à seleção dos candidatos ao naipe dos metais.

Esteve presente no ITG 2012 nos EUA, dando expressão em concertos como diretor artístico, com o grupo de trompetes MATES GANG, todos eles seus alunos.

É artista internacional Yamaha, como tal, tem dado concertos, conferências internacionais e tocado com grandes nomes do trompete como Alen Vizutti, Rex Richardson, Gabriel Cassone, Adam Rapa entre outros.